Connect
To Top

Uitlização de botox no sorriso gengival

O objetivo principal do médico dentista é construir um sorriso que seja esteticamente agradável e funcionalmente correto, sendo este conseguido através das estruturas dentárias, do tecido gengival e dos lábios. O sorriso gengival é considerado pouco estético, sendo que existem várias alternativas para a sua correção. Recentemente a toxina botulínica tem sido utilizada na abordagem da correção do sorriso gengival sendo que é um tratamento minimamente invasivo na redução da hiperatividade muscular do lábio superior.

Neste caso clínico, a paciente apresentava excessiva exposição gengival tendo sido utilizada a técnica de injeção de botox, tanto no músculo elevador do lábio superior como no músculo da asa do nariz, para a correção temporária da hiperfunção dos mesmos, apresentando resultados muito satisfatórios.

 Palvras-chave: toxina botulínica; botox; sorriso gengival; exposição gengival.

Introdução

O sorriso é considerado uma das mais complexas expressões faciais, sendo fundamental no statuspsicológico e na auto-estima, dependendo essencialmente de três componentes, as estruturas dentárias, o tecido gengival e os lábios (Mazzuco e Hexsel, 2010; Al-fouzan, 2017).

O sorriso ideal deve ser simétrico e a exposição gengival maxilar deve atingir valores aproximados a 2 mm (Ishida e cols, 2010; Sucupira e Abramovitz, 2012 Suber e cols, 2014; Nasr e cols, 2015). O sorriso gengival é o termo utilizado para definir o espaço entre a margem inferior do lábio superior e a margem cervical dos incisivos e compreende valores superiores a 2 ou 3 mm, sendo considerado um parâmetro estético fundamental com uma prevalência de 10,5% a 29% na população (Allen, 1988; Flanary, 1992; Chiche e Pinault, 1994; McAlister e cols, 1998; McGuire, 1998; Ezquerra e cols, 1999; Hexsek e Trindade de Almeida, 2002; Polo, 2005; Khanna, 2007; Indra e cols, 2011; Patel e cols, 2012; Sucupira e Abramovitz, 2012; Dinker e cols, 2014; Bhola e cols, 2015; Al-fouzan, 2017; Sánchez e cols, 2017).

A etiologia associada ao sorriso gengival pode envolver uma componente esquelética, gengival ou muscular e pode resultar da erupção dentária passiva tardia, excesso vertical maxilar ou hiperatividade do músculo elevador do lábio superior (Casko e cols, 1989; Levine e McGuire, 1997; Foley e cols, 2003;Landsberg e Sarne, 2006; Redlich e cols, 2009; Hwang e cols, 2009; Ishida e cols, 2010; Sahoo, 2012;Suber e cols, 2014; Bhola e cols, 2015; Nasr e cols, 2015; Sánchez e cols, 2017).

Numa primeira fase, a exposição de tecido gengival deve ser classificada de acordo com a área maxilar afetada, ou seja, em anterior, posterior, mista ou assimétrica, ou através da classificação proposta por Goldstein em baixa, média ou alta (Mazzuco e Hexsel, 2010; Patel e cols, 2012; Al-fouzan, 2017). Esta classificação é importante para permitir a identificação do músculo afetado e modificar a técnica de injeção (Mazzuco e Hexsel, 2010; Al-fouzan, 2017).

O plano de tratamento para correção inclui diferentes alternativas como cirurgia ortognática, tal como osteotomia LeFort I e resseção óssea, tratamento ortodôntico acompanhado com intrusão dos incisivos, alongamento coronário, gengivoplastia e manipulação de músculos específicos, tendo em conta o caso (Toley e cols, 2003; Polo, 2005; Sandler e cols, 2007; Ishida e cols, 2010; Mazzuco e Hexsel, 2010; Indra e cols, 2011; Sahoo, 2012; Nayyar e cols, 2014; Suber e cols, 2014; Nasr e cols, 2015; Al-fouzan, 2017). No entanto, estes procedimentos são complexos, irreversíveis e invasivos pelo que uma nova técnica foi introduzida, a injeção de toxina botulínica (botox) (Sucupira e Abramovitz, 2012; Sánchez e cols, 2017)l

A produção da toxina botulínica tem origem numa batéria anaeróbia, Clostridium botulinum (Sucupira e Abramovitz, 2012; Dinker e cols, 2014; Al-fouzan, 2017). A toxina botulínica do tipo A é um dos serotipos, de entre os sete existentes, que é mais potente e é mais frequentemente usada clinicamente sendo resultado da fermentação que permite a sua formação de uma maneira estável, estéril e em forma de pó seco em vácuo que é diluído em solução salina sem conservantes (Polo, 2005; Sandler e cols, 2007; Sahoo, 2012; Dinker e cols, 2014). Este serotipo pode ser utilizado em várias condições no ramo da medicina dentária, tal como disfunção temporo-mandibular, bruxismo, paralisia do nervo facial, espasmo mandibular, sorriso gengival e hipertrofia massetérica (Nayyar e cols, 2014; Srivastava e cols, 2015).

Este composto inibe a libertação de acetilcolina no local de sinapse através da sua ligação à terminação neuromuscular, causando a inibição da proteína de acetilcolina, localizada na membrana celular. Desta forma, a contração muscular é inibida, provocando uma atrofia muscular reversível (Meunier e cols, 2002; Jaspers e cols, 2011; Sahoo, 2012; Dinker e cols, 2014; Nayyar e cols, 2014; Srivastava e cols, 2015). Os músculos responsáveis pelo movimento do lábio superior durante o sorriso compreendem o elevador do lábio superior, elevador da asa do nariz, zigomático maior e menor e depressor do septo nasal (Sandler e cols, 2007; Sahoo, 2012).

Em 1989, a FDA (Food and Drug Admnistration), aprovou a toxina botulínica como uma abordagem terapêutica segura e eficaz para diferentes patologias associadas a dor e hipercontração muscular, sendo que em 1990, a sua aplicação foi aprovada pelos Institutos Nacionais de Saúde. Em 2002, a FDA aprovou o botox na eliminação temporária de linhas faciais (Peck e cols, 1992; Binder e cols, 1998; Lowe, 1998; Patel e cols, 2012; Sahoo, 2012; Patel e cols, 2014; Al-fouzan, 2017).

O aparecimento do efeito da toxina botulínica ocorre após 2 semanas e persiste durante 4 a 6 meses, dependendo da espessura muscular e da anatomia presentes (Jaspers e cols, 2011; Al-fouzan, 2017).

Achados Clínicos

Paciente do género feminino, sem história médica prévia relevante, com queixas relativas à exposição gengival excessiva associada ao seu sorriso e ao comprometimento estético do mesmo.

Numa primeira observação clínica, não foi observada nenhuma alteração dentária ou gengival, estando ausentes lesões de cárie dentária, sinais de inflamação gengival, presença de bolsas ou cálculo dentário.

Ao analisar a face, numa vista frontal e de perfil, foi confirmada a presença de sorriso gengival considerável devido a hipercontração muscular do lábio superior, com competência labial presente. Desta forma, foi proposta e planeada a aplicação de toxina botulínica de modo a suavizar a exposição gengival observada.

Fotografias 1.1 e 1.2 Caso clínico inicial. É possível observar a exposição gengival do sorriso causada por hiperfunção muscular do lábio superior.

CRONOGRAMA

Primeira Consulta

Novembro 2016

Paciente insatisfeita com estética do sorriso devido a exposição gengival excessiva;
Exame extra e intra-oral, avaliação radiográfica e periodontal.

Tratamento

Novembro 2016

Aplicação de toxina botulínica para correção do sorriso gengival.

Follow-up

Dezembro 2016
Observação e avaliação do caso, com bons resultados estéticos e diminuição da exposição gengival.

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

Na análise facial e do sorriso, numa vista frontal e de perfil, e após de avaliadas as estruturas dentárias, gengivais, esqueléticas e musculares, foi observada a presença de sorriso gengival acentuado causado por hiperfunção dos músculos elevadores do lábio superior e da asa do nariz, sendo que a paciente apresentava 6 mm de exposição gengival anterior durante o movimento de sorriso forçado, desde a margem inferior do lábio superior até à margem cervical do incisivo central superior.

INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA

De acordo com a avaliação realizada e o plano proposto, foi aplicado anestésico tópico (EMLA ® creme, AstraZeneca) nos lábios e estruturas ao redor. Após demarcação dos pontos de punção, onde os músculos responsáveis pela hipercontração se inserem, foi aplicada toxina botulínica do tipo A (100 unidades (U) Botox®, Allergan, Irvine, pó para solução injetável) previamente diluída por adição de 4.0mL de 0,9% de solução de cloreto de sódio, provocando a sua inibição e prevenindo a sua contração excessiva temporariamente. Tal como descrito na abordagem de Mario Polo (2005) foram injetadas 2.5U em ambos os lados tanto do músculo elevador do lábio superior como do músculo da asa do nariz, em posição semi-sentada e através da introdução de uma agulha (33 gauge).

Após todo o procedimento, foram dadas recomendações para manter elevação da cabeça nas primeiras horas, não compressão ou manipulação da região, aplicar gelo em caso de aparecimento de edema ou hematoma e não realizar atividades físicas no primeiro dia.

Fotografias 2.1 e 2.2 Marcação dos pontos para injeção do botox para inibição da hipercontração muscular.

Fotografias 3.1 e 3.2 Injeção de botox através de agulha 33 gauge.

SEGUIMENTO E RESULTADOS

Foi realizado follow-up do caso após 7 dias da aplicação, sendo levemente visível a melhoria da exposição gengival. No período de 15 dias após o tratamento, foi realizada nova consulta com ótimos resultados a nível estético, sendo que foi conseguido um sorriso simétrico e proporcionalmente correto.

Após 30 dias, foi avaliada uma diminuição de 4 mm da margem inferior do lábio superior à margem cervical do incisivo central, atingindo os objetivos primários do tratamento de reduzir a exposição gengival aquando o sorriso.

DISCUSSÃO

O sorriso consiste fundamentalmente na aparência de todas as estruturas dentárias e tecidos moles ao redor e pode ser dividido em baixo, médio ou alto dependendo da posição labial. Num estudo de Peck e cols (1992), o sorriso baixo atingiu valores inferiores a 75% e o sorriso médio e alto valores com aproximadamente 75 a 100% (Al-fouzan, 2017),

A etiologia do sorriso alto ou gengival pode incluir hiperfunção do músculo elevador do lábio superior e nesse caso, é confirmado quando a análise esquelética da maxila mostra valores normais, e, no entanto, são visíveis 2 mm de gengiva no movimento do sorriso (Ezquerra e cols, 1999; Al-fouzan, 2017). Nos casos de sorriso gengival com hiperfunção muscular, o tratamento passa pela cirurgia plástica reconstrutiva e mais recentemente pela aplicação de botox, introduzido por Polo (2005), sendo fundamental ter conhecimento acerca da distribuição e morfologia dos músculos afetados, para que seja possível a sua inibição criando um sorriso estético e natural (Hwang e cols, 2009; Sielberberg e cols, 2009; Al-fouzan, 2017).

botox tem demonstrado resultados promissores no tratamento de patologias de origem muscular tal como disfunção temporomandibular, bruxismo e hipertrofia massetérica (Sahoo, 2012; Nayyar e cols, 2014). Este tem sido considerado uma das primeiras opções de tratamento no sorriso gengival devido à sua fácil aplicação, baixo risco e efeito reversível, tendo um período de duração entre 4 e 6 meses, dependendo da atividade e espessura musculares (Sahoo, 2012; Nayyar e cols, 2014; Al-fouzan, 2017). Visto que esta é uma abordagem reversível, a injeção da toxina botulínica constitui uma opção temporária para a correção da exposição gengival excessiva (Nasr e cols, 2015). Dependendo do caso de sorriso gengival, a aplicação de toxina botulínica poderá ser utilizada como tratamento independente, como co-adjuvante de outra técnica invasiva ou como uma medida temporária enquanto aguarda por uma solução definitiva (Nasr e cols, 2015; Srivastava e cols, 2015).

As contra-indicações associadas à abordagem com botox incluem gravidez, presença de inflamação ou infeção na área de injeção, hipersensibilidade ou alergia a albumina, toxina botulínica ou solução salina, desordens neuromusculares como miastenia gravis, síndrome Lambert-Eaton, distrofia muscular ou esclerose múltipla, toma de aminoglicosídeos ou de bloqueadores de canais de cálcio (Sahoo, 2012; Patele cols, 2013; Nayyar e cols, 2014; Srivastava e cols, 2015).

Segundo o estudo de Polo (2008), o sorriso gengival não retornou aos valores iniciais de exposição, após 24 semanas de injeção e Mazzuco e Hexsel (2010) demonstraram que há uma redução prolongada nos casos em que a aplicação foi realizada continuamente (Nasr e cols, 2015).

A injeção de botox permite um tratamento efetivo, minimamente invasivo e temporário no sorriso gengival para pacientes que apresentem hiperfunção do músculo elevador do lábio superior, que poderá ser repetido caso os pacientes se sintam satisfeitos com os resultados estéticos observados (Sandler e cols, 2007).

Fotografias 4.1 Caso clínico final com colocação de facetas de cerâmica e coroas em zircónia.

Fotografias 5.1 e 5.2 Caso clínico inicial e final, com redução da exposição gengival.

Referências Bibliográficas

Al-fouzan A.F. (2017). Botulinum Toxin for the Treatment of Gummy Smile. The Journal of Contemporary Dental Practice. 474–478.

Dinker S., Anitha A., Sorake A. e Kumar K. (2014). Management of gummy smile with Botulinum Toxin Type-A: A case report. Journal of International Oral Health. 6(1): 111–115.

Hwang W.S., Hur M.S., Hu K.S., Song W.C., Koh K.S., Baik H.S. e Lee K.J. (2009). Surface anatomy of the lip elevator muscles for the treatment of gummy smile using botulinum toxin. Angle Orthodontist. 79(1): 70–77.

Nasr M.W., Jabbour S.F., Sidaoui J.A., Haber R.N. e Kechichian E.G. (2015). Botulinum Toxin for the Treatment of Excessive Gingival Display: A Systematic Review. Aesthetic Surgery Journal. 36(1): 82–88.

Nayyar P., Kumar P., Nayyar P. V. e Singh A. (2014). Botox: Broadening the horizon of dentistry. Journal of Clinical and Diagnostic Research. 8(12).

Sahoo K. (2012). Botox In Gummy Smile – A Review. Indian Journal of Dental Sciences. 4(1): 51–53.

Sánchez I., Gaud-Quintana S. e Stern, J. (2017). Modified Lip Repositioning with Esthetic Crown Lengthening: A Combined Approach to Treating Excessive Gingival Display. The International Journal of Periodontics & Restorative Dentistry. 37(1): 130–134.

Sandler P.J., Alsayer F. e Davies, S. J. (2007). Botox : a possible new treatment for gummy smile. Virtual Journal of Orthodontics. 7(7): 30–34.

Srivastava S., Kharbanda S., Pal U. e Shah V. (2015). Applications of botulinum toxin in dentistry: A comprehensive review. National Journal of Maxillofacial Surgery. 6(2): 152.

Sucupira E. e Abramovitz A. (2012). A Simplified Method for Smile Enhancement: Botulinum Toxin Injection for Gummy Smile. Plastic and Reconstructive Surgery. 130(3): 726–728.

Patel D.P., Mehta F., Thakkar S.A., Suthar J.R. e Verma S. (2014). Botulinum toxin type A (Botox) for the neuromuscular correction of excessive gingival display on smiling (gummy smile). Indian Journal of Basic and Applied Medical Research. 3(3): 237-244

Polo M. (2005). Botulinum toxin Type A in the treatment of excessive gingival display. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 127(2):214-218.

Jaspers G.W., Pijpe J. e Jansma J. (2011). The use of botulinum toxin Type A in cosmetic facial procedures. Int J Oral Maxillofac Surg. 40(2):127-133.

Mazzuco R e Hexsel D. (2010). Gummy smile and botulinum toxin: a new approach based on the gingival exposure area. J Am Acad Dermatol. 63(6):1042-1051.

Patel D.P., Thakkar S.A., Suthar J.R. (2012). Adjunctive treatment of gummy smile using botulinum toxin Type-A (case report). J Dent Med Sci. 3(1):22-29.

Indra A.S., Biswas P.P., Vineet V.T. e Yeshaswini T. (2011). Botox as an adjunct to orthognathic surgery for a case of severe vertical maxillary excess. J Maxillofac Oral Surg. 10(3):266-270.

Silberberg N., Goldstein M. e Smidt A. (2009). Excessive gingival display – etiology, diagnosis, and treatment modalities. Quintessence Int. 40(10):809-818.

Peck S., Peck L. e Kataja M. (1992). The gingival smile line. Angle Orthod. 62(2):91-100.

Ezquerra F., Berrazueta M.J., Ruiz-Capillas A. e Arregui J.S. (1999). New approach to the gummy smile. Plast Reconstr Surg. 104(4):1143-1150.

Jaspers G.W., Pijpe J. e Jansma J. (2011). The use of botulinum toxin type A in cosmetic facial procedures. Int J Oral Maxillofac Surg. 40:127–33.

Casko J.S., Eberle K.M. e Hoppens B.J. (1989). Treatment of a dental deep bite in a patient with vertical excess and excessive gingival display. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 96:1–7.

Redlich M., Mazor Z. e Brezniak N. (1999). Severe high Angle Class II Division 1 malocclusion with vertical maxillary excess and gummy smile: a case report. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 116:317–320.

Foley T.F., Sandhu H.S. e Athanasopoulos C. (2003). Esthetic periodontal considerations in orthodontic treatment – the management of excessive gingival display. J Can Dent Assoc. 69: 368–372.

Landsberg C.J. e Sarne O. (2006). Management of excessive gingival display following adult orthodontic treatment: a case report. Pract Proced Aesthet Dent. 18:89–94.

Levine R.A. e McGuire M. (1997). The diagnosis and treatment of the gummy smile. Compend Contin Educ Dent. 18:757– 762.

Suber J.S., Dinh T.P., Prince M.D. e Smith P.D. (2014). OnabotulinumtoxinA for the treatment of a “gummy smile”. Aesthet Surg J. 34(3):432-437.

Ishida L.H., Ishida L.C., Ishida J., Grynglas J., Alonso N. e Ferreira M.C. (2010). Myotomy of the levator labii superioris muscle and lip repositioning: a combined approach for the correction of gummy smile. Plast Reconstr Surg. 126(3):1014-1019.

Gabric Panduric D., Blaškovic M., Brozovic J. e Sušic M. Surgical treatment of excessive gingival display using lip repositioning technique and laser gingivectomy as an alternative to orthognathic surgery. J Oral Maxillofac Surg. 72(2).

Foley T.F., Sandhu H.S. e Athanasopoulos C. (2003). Esthetic periodontal considerations in orthodontic treatment–the management of excessive gingival display. J Can Dent Assoc. 69(6):368-372.

Polo M. (2008). Botulinum toxin type A (Botox) for the neuro- muscular correction of excessive gingival display on smiling (gummy smile). Am J Orthod Dentofac Orthop. 133(2):195-203.

Mazzuco R e Hexsel D. (2010).  Gummy smile and botulinum toxin: a new approach based on the gingival exposure area. J AmAcad Dermatol. 63(6):1042-1051.

Meunier F.A., Schiavo G. e Molgo J. (2002). Botulinum neurotoxins: from paralysis to recovery of functional neuromuscular transmission. J Physiol. 96(1– 2):105–13.

Patel D., Mehta F., Trivedi R., Thakkar S. e Suthar J. (2013). Botulinum Toxin and Gummy smile-A Review. IOSR Journal of Dental and Medical Sciences. 4(1):1-5

Lowe N.J. (1998). Botulinum toxin type A for facial rejuvenation: United States and United Kingdom perspectives. Dermatol Surg. 24: 1216.

Binder W.J., Blitzer A. e Brin M.F. (1998). Treatment of hyperfunctional lines of the face with botulinum toxin A. Dermatol Surg. 24:1198-1205.

Allen E.P. (1988). Use of mucogingival surgical procedures to enhance esthetics. Dent Clin North Am. 32:307–330.

Bhola M., Fairbairn P.J., Kolhatkar S., Chu S.J., Morris T. e de Campos M. (2015). LipStaT: The Lip Stabilization Technique – Indications and guidelines for case selection and classification of excessive gingival display. Int J Periodontics Restorative Dent. 35:549–559.

McGuire M.K. (1998). Periodontal plastic surgery. Dent Clin North Am. 42:411–465.

Chiche G. e Pinault A. (1994). Esthetics of Anterior Fixed Prosthodontics. Chicago: Quintessence.

Khanna B. (2007). Lip stabilisation with botulinum toxin. Aesthet Dent Today. 1:54–59.

Flanary C. (1992). The psychology of appearance and the psychological impact of surgical alteration of the face. Orthognathic and reconstructive surgery, Volume 1, 1st ed. Philadelphia: WB Saunders.

Hexsel D. e Trindade de Almeida A. (2002). Uso Cosmético da Toxina Botulínica. Porto Alegre, Brazil: AGE. 198–200.

McAlister R.W., Harkness E.M. e Nicoll J.J.(1998). An ultrasound investigation of the lip levator musculature. Eur J Orthod. 20:713–720.

Source link

More in BELEZA

  • O CAFÉ E OS SEUS BENEFÍCIOS

      Hoje venho partilhar convosco as minhas mezinhas, que apresentei no programa “Faz Sentido”, no canal SIC Mulher, apresentado por Ana...

    Touch of BeautyApril 24, 2018
  • BENEFÍCIOS DO RISO

    Rir ajuda-o/a a queimar mais calorias, a reduzir os níveis de stress, e a melhorar a condição física e psicológica. Rir...

    Holmes PlaceApril 7, 2018
  • REATIVA PROMOVE JORNADA EUROPEIA ESTÉTICA CIENTÍFICA

    No mês de Março decorreu, pela quinta vez, a Jornada Europeia de Estética Científica. Um evento que junta o conhecimento com...

    Touch of BeautyMarch 18, 2018
  • TURISMO DE BELEZA EM DESTAQUE NA ESTÉTICA PROFISSIONAL

    Dia 4 de fevereiro marquei presença no I Fórum Ibérico de Estética Profissional, a convite da ANEP (Associação Nacional de Esteticismo...

    Touch of BeautyFebruary 5, 2018
  • A IMPORTÂNCIA DA FIBRA PARA O NOSSO ORGANISMO

    Já pensou na importância do bom funcionamento do seu trânsito intestinal e de como a fibra tem um papel relevante? Tome...

    Touch of BeautyFebruary 2, 2018
  • Reabilitação da estética gengival

    com Drª. Diana de Macedo Resumo Uma reabilitação bem-sucedida inclui tanto a duplicação dos dentes naturais, em relação à sua textura,...

    Hugo MadeiraFebruary 1, 2018
  • BEM ESTAR DA CABEÇA AOS PÉS

    Devemos cuidar e gostar de nós, todos os dias. Por isso, na minha rubrica de Beleza, no programa “Faz Sentido”, da...

    Touch of BeautyJanuary 26, 2018
  • CUIDADOS CORPORAIS NÃO INVASIVOS

    A revista Máxima, de Janeiro deste mês, explica como fazer um total detox ao seu corpo e, claro, mente. No artigo...

    Touch of BeautyJanuary 10, 2018
  • Banho revitalizante

    Aproveite o inicio do ano e tire um tempo no final do dia de trabalho para relaxar e revitalizar o corpo…...

    Iva LamarãoJanuary 8, 2018
Mountain View

Mountain View